quinta-feira , 22 de outubro de 2020

Hospital De Campanha Encerra Os Trabalhos Depois De Cinco Meses

Equipamentos vão integrar o patrimônio da Secretaria de Saúde. A despedida emocionou pacientes e profissionais que enfrentaram a Covid-19

Música, abraços, risos e choro. Foi nesse clima de emoção que o Governo do Distrito Federal fechou, nessa quinta-feira (15), o Hospital de Campanha do Estádio Nacional Mané Garrincha (HCMG). O fechamento marca o início da execução do Plano de Desmobilização de Leitos da Covid-19, anunciado no último dia 9 pelo secretário de Saúde, Osnei Okumoto.

Emoção no encerramento dos trabalhos no Hospital de Campanha Mané Garrincha | Fotos: Breno Esaki / Agência Saúde – DF

Foi um dia de despedidas. Despedida para os três últimos pacientes e também para o batalhão de quase 800 profissionais que, durante seis meses, estiveram na linha de frente para salvar vidas. Ainda pela manhã, deixou o hospital o paciente Francisco Isidoro do Carmo. À tarde, mais dois receberam alta: Marluce de Carvalho, 61 anos, e Helena Elvira de Lima Santos, 63 anos.

Moradora de São Sebastião, Marluce é diabética. Pegou o vírus, ficou internada sete dias na Unidade de Pronto Atendimento de São Sebastião e outros sete no Mané Garrincha. “Na UPA, ela piorou; no hospital, nos últimos dois dias ela reagiu e hoje recebeu alta”, contou, emocionado, Marcio Wendel Carvalho Marinho, filho de Marluce.

Mãe e filho deixaram o hospital sob aplausos. Atrás deles, saíram os últimos membros da enorme equipe de profissionais que lutou pela vida de homens e mulheres que passaram pelo Mané Garrincha. Entre eles, estava a fisioterapeuta Flávia de Faria, que trabalhou no hospital desde que ele foi aberto. “Eu tenho 23 anos de vida hospitalar e nunca vivi uma coisa dessas”, relatou aos prantos, despedindo-se dos colegas.

Em cinco meses, hospital atendeu mais de 1,8 mil doentes com Covid-19. Equipamentos e mobiliário irão integrar o patrimônio da Secretaria de Saúde | Fotos: Breno Esaki / Agência Saúde

Enquanto os portões do hospital eram fechados ao som de músicos do Corpo de Bombeiros do DF, 1.787 balões subiram ao ar representando o número de pacientes salvos, e aos profissionais que atuaram contra o novo coronavírus.

A cerimônia do fechamento simbólico do hospital foi presidida pelo secretário de Saúde, Osnei Okumoto. Também emocionado, Okumoto declarou que o hospital de campanha cumpriu sua missão num momento em que a população do Distrito Federal mais precisava.

Ele agradeceu aos profissionais que atuaram no Mané Garrincha e parabenizou os pacientes lá atendidos. “São vitórias exemplares dentro de uma arena de competição”, ressaltou. “Aqui não vai ficar só um legado para a Saúde do Distrito Federal, mas também um trabalho importante para o conhecimento dessa nova doença”, disse.

O evento foi prestigiado ainda pelo secretário adjunto de Assistência à Saúde, Petrus Sanchez, além do procurador de Justiça do Ministério Público do DF, e Territórios e coordenador da força-tarefa contra a Covid-19, José Eduardo Sabo Paes, e do presidente da Arena BSB, Richard Dubois.

 

O Hospital de Campanha Mané Garrincha abriu as portas no dia 22 de maio. Durante este período recebeu mais de 1,8 mil doentes com Covid-19, dos quais 1.787 voltaram para suas famílias e 32 não resistiram à doença.

Eles foram atendidos por um batalhão de dedicados profissionais, entre eles 129 médicos e 647 enfermeiros, além de técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, nutricionistas e profissionais administrativos não-assistenciais que atuaram na logística, transporte, alimentação e segurança.

O HCMG foi equipado com 197 leitos, sendo 173 de enfermaria para adultos, 20 de suporte avançado e quatro de emergência. Todo mobiliário e equipamentos irão integrar o patrimônio da Secretaria de Saúde, que usará esse material para atender pacientes com outras enfermidades nas diversas unidades da rede pública do DF. Com informações da Secretaria de Saúde

CONTATO
ANTENADOS@ANTENADOS.COM.BR

(61) 98649-0522